quarta-feira, 30 de março de 2011

A Frota de Metatron


Temos uma grande frota estelar do Arcanjo Metatron numa órbita cerca de 62 unidades astronômicas, cerca de 9.300.000.000Km da Terra, sitiando diversas emanações de energia negativa, oriundas de diversos sistemas estelares ligados as energias rebeldes, que não querem o salto quântico estelar. Eles estão desenvolvendo uma linha de bloqueio muito poderosa, que possui a capacidade de desprogramar as energias de onda emitidas pelos centros bélicos desses mundos colônias. São cerca de 350 centros bélicos negativos, distribuídos em um ângulo de mais de 257 graus provenientes do setor estelar da nuvem e portal da estrela de Rigel, que fica dentro de Órion. Por esse portal existe uma conexão com o Universo de Anhotak, que atua na polaridade inversa da energia Crística-Mahatma-Búdica, que é o nosso importante foco universal de evolução criado pela energia onipresente de Cristo Michael ou Micah. Essa frota possui a função de despolarização eletromagnética a partir da estrutura atômica, das energias nefastas que têm sido direcionadas para este quadrante estelar. Todos os outros planetas que já possuem uma forte linha de compreensão e sintonização com o amor universal, estão unidas na intenção de bloquear as emanações nefastas, sem um combate bélico, devido a presença destes merkabas, que podem desmaterializar as energias negativas e repolarizá-las de forma harmônica. Essa equipe esta coligada ao Comando Estelar chefiado por Shtareer, que desse havona, tem disponibilizado a nave criadora Estrela Da Vida, que possui um diâmetro de cerca de 20 mil kilometros, existindo entre as realidades dimensionais da 7ª a 38ª dimensões, conforme a necessidade de interação com as distintas realidades dos universos na qual ela se manifesta. A pedido do Conselho dos Anciões de Dias e do Conselho Cármico setorial do nosso Sol Monmatia, outras 3 naves dessa categoria estão sintonizadas e presentes dentro do campo gravitacional do nosso Sistema Solar, para permitir dessa forma a passagem e salto quântico estelar do sistema, em breve. Assim as forças rebeldes estão desesperadas, tentando desenvolver uma estratégia para destruir ou bloquear a atuação das forças de paz, e o ponto fraco encontrado, foi justamente a psique humana, que é vulnerável a ação negativa das ilusões e mentiras da guerra e outras energias que acabam por remover a centralização e fé das pessoas na transmutabilidade do próprio cárma e das culpas que cada um carrega. Dessa forma são os seres humanos o maior alvo das energias negativas, para fazer com que a humanidade entre nas egregoras do umbral e com isso se afaste de si mesma e da consciência crística, que foi implantada na Terra com o intuito de despertar a humanidade. Assim a guerra estelar está sendo travada dentro da Terra, dentro da psique humana e do subconsciente de todos nós, que sem perceber alimentamos os valores negativos, a ilusão, o egoísmo e muitas vezes o desalento da atual situação melindrosa e perigosa do planeta. A sintonização com essa frota de merkabas, pode ser feita através da energia crística de Metatron e de seus filhos, Metatron e Sandalfhon, que dão sustentação aos canais dessa hierarquia aqui na Terra. Busquem a conexão para ativar o corpo sideral que muitos dos encarnados na Terra, deixou antes de dar inicio a sua jornada evolutiva aqui. Grande parte dos seres humanos e de outras formas de vida, que se encontram na roda de sansara na Terra, deixaram seus corpos originais em estado de animação suspensa, aguardando o retorno pelos Portais Siderais, como o 11:11 e o 12:12, além do novo Portal 13:13, que gradualmente está se revelando para algumas pessoas. Parte da frota sideral dos Mestres Ascensionados de outros povos, está sendo direcionado para o nosso quadrante estelar através do Portal 13:13, que possui um campo de estabilidade multidimensional até a 18ª dimensão e outras realidades internas de cada uma das dimensões acima da 9ª D. A frota de Metatron, representa um grande foco central das 3 Marias para unificar diversos grupos que a muitos milênios estão tentando se filiar a Federação mediante seus esforços de paz e correção dos erros do passado. Dessa forma a Frota possui um Conselho Cármico que lhe permite desenvolver um programa de reconexão e seleção das almas que estão aptas a nova realidade existencial dentro do processo evolutivo que cada uma desenvolveu em seu livre arbítrio. A nave mãe Estrela da Vida, desenvolve um papel importante na conexão com as realidades recentes do Universo UNANA, que está sendo preparado para a continuação dos ciclos consciências de milhares de almas e de seres que já podem atuar dentro de uma realidade mais sutil e capaz de criarem novos conceitos evolutivos de intercâmbio cultural. Assim a humanidade que parte da Terra rumo a uma nova realidade mais sutil, passa a ocupar o lugar daqueles que se elevam para um gradiente mais sutil e com maiores responsabilidades criacionais. Toda a galáxia a qual pertencemos, está passando por essa elevação e todos terão que subir alguns degraus na escala vibracional. Muitos comandantes estão fazendo contato com importantes canais aqui na Terra, sobre esta operação e receberam importantes mensagens que gradualmente serão reveladas por eles, e assim manterão em segredo os devidos ancoramentos para os Mestres, Avatares e Comandantes, que tem funções de trabalho ligadas às realidades terrenas e a diversos grupos de pesquisadores nas distintas realidades do nosso planeta. São cerca de 49 Comandantes que farão contato com pessoas vinculadas ao trabalho de reciclagem da Terra e despertar conciencial. O Comando superior da Estrela da Vida, que responde diretamente a Shtareer e a Alcon, são pólos importantes de interação com as diversas raças estacionadas nas diferentes realidades terrenas, além dos diferentes grupos da Federação. Shtareer tem trabalhado nas questões diplomáticas com grande parte dos grupos exilados e rebeldes, que estão tentando entrar em acordos para suportarem o salto quântico e ao mesmo tempo, entrarem em sintonia mais elevada e ajudarem à humanidade em sua cegueira. Como nem todos os grupos rebeldes estão dispostos a essa trégua e armistício, o Amado Arcanjo Miguel e Gabriel tem entrado com liminares no Conselho Cármico Superior dos Anciões de Dias, para darem sustentabilidade as ações emergenciais que Shtareer e Alcon terão que desenvolver com suas frotas em sincronicidade com a de Metatron, mobilizando assim um contingente de cerca de 326 milhões de merkabas que passam a atuar diretamente na linha de interatividade multidimensional e dão total apoio as naves da Frota do Comando Ashtar, que estão sobre a jurisdição do Arcanjo Miguel. Dessa forma a frota original de Ashtar de 10 milhões de naves passam a atuar dentro de outras realidades e entram nesse grupo, onde o Arcanjo Miguel continua como Chefe operacional dividindo as responsabilidades com Sananda, Shtareer e Metatron da dispersão das responsabilidades e sustentabilidade do grande plano. Anhotak mobilizou uma frota de naves de alta tecnologia da Ordem do Dragão negro de 13ª dimensão em seu universo de Anagora, está mobilizando diversos grupos com potencial bélico e mental de grandes proporções, para tentar manter os portais abertos do umbral de todos os planetas em quarentena do sistema de satânia, isso representa cerca de 25 milhões de naves fortemente preparadas para criarem novos Portais dimensionais de polarização invertida, que permitem apenas a passagem de Anagora para nosso quadrante. Os pontos escolhidos para entrarem em nosso universo, são a grande estrela de Rigel, Vega, Sírius Beta, Chantek nas Plêiades, Formaliat e a antiga órbita de Maldek em nosso cinturão de asteróides, além das nuvens de Magalhães que foram escolhidas como ponto avançado para uma nova realidade que eles estão tentando desenvolver, bem próximo da nossa localização. Essa frota já foi detectada e avaliada como uma grande sombra sobre todas as almas que ainda insistirem e vibrar no egoísmo e na famosa “lei do Gerson”, de sempre levar vantagem sobre os outros. Assim dessa forma a escolha estará presente dentro da consciência de cada filho da criação. A separação do joio e do trigo será feita pelas nossas escolhas, e não pelo plano espiritual. Caberá a nós efetuar as respectivas escolhas e assumir as devidas responsabilidades do processo que se definirá em nossa jornada. A presença das frotas, são para dar garantia total a estrutura sideral e ao plano dévico dos sistemas e das raças que realmente estão na linha amorosa e querem colaborar com a nova ordem sideral de Cristo-Mahatma-Búdica, que está formatada. O grande número das frotas de Shtareer e Metatron unidas as de Miguel, representam um poder crístico e gerador de grandes vibrações de sustentação para o grande salto quântico setorial do nosso sistema estelar e constelação de satânia, que compreende milhares de estrelas e trilhões de almas em estagio evolutivo dentro de suas respectivas ilusões criativas do processo encarnacional. Busquem dentro de suas vidas as escolhas mais harmônicas, para que possam assim superar as novas energias relativas da ativação sensorial do hemisfério direito do cérebro, que irá ativar a sensibilidade mediúnica e paranormal de toda a civilização da Terra, em todas as realidades existenciais, o que inclui a ativação do Umbral e da percepção sensorial dos templos e colônias dos desencarnados. O momento chegou, o amado Mestre Saint Germain e El Morya, a muitos anos vem afirmando que o tempo estava curto. Ele se esgotou e todos vocês estão verificando isso dentro de seus corações. Não adianta ficar em pânico, e sim trabalharem para recuperar o tempo perdido na busca de um reto viver, reto pensar e um reto agir para com o próximo. Cada qual sabe no fundo de seu coração as opções que fez e as devidas responsabilidades, procurem viver em sintonia com essas responsabilidades, e conseguirão dessa forma superar as dificuldades psíquicas que estão formatadas dentro de cada um de vocês. Mentalizem os 49 raios de Alfa & Omega como fonte de purificação e meditação e procurem dessa forma centralizar em vocês uma nova realidade evolutiva e conciencial de cidadão cósmico e não apenas terreno. Nós somos seres estelares e não apenas terrenos, isso deve ser uma realidade dentro de todos nós, para que gradualmente nos preparemos para o contato com outras civilizações, que em breve estarão se manifestando e atuando dentro das nossas vidas de forma ativa, e não apenas por sonhos ou projeção astral. Fiquem na paz de cristo e busquem a sua verdade dentro do coração, e procurem visitar as frotas de merkabas de luz, quando estiverem dormindo ou meditando, para gradualmente darem início aos contatos psíquicos e extra-fisicos com os Mestres de luz e seus Comandantes.


Rodrigo Romo

Mensagem de Mãe Maria


Jorge amado filho do Meu Coração! São lágrimas, são lágrimas que verto por todos os Meus filhos em sofrimento. A Terra está seguindo o seu rumo, os acontecimentos estão aí aos olhos de todos. Porque é que ainda há irmãos que se resignam e teimam em continuar no mesmo caminho!? Teimam em sofrer, teimam em estar sós! Essa atitude só atrasa o processo deles e o processo do planeta como um todo. Falem, vocês mensageiros da Luz, digam, jamais se calem! Digam a todos que estamos aqui, que os tempos de dor e sofrimento acabaram. Que viemos para ajudar quem assim o desejar. Mas para isso as pessoas têm de desejá-lo. Há irmãos que ainda estão tão presos às energias do passado, que não conseguem olhar em frente, não conseguem desejar serem ajudados. Por favor Meus filhos, nunca mais se calem perante os vossos irmãos que sofrem. Digam-lhes que a Era do Amor chegou, a Era da Esperança está aí. É só aceitá-la para ela preencher o coração de cada um. Sejam o farol que se propuseram ser. Eu sofro por todos os que estão perdidos. Amem cada um como se fosse Eu a amá-lo. Ensinem que cada um deve procurar a sua felicidade todos os dias. Chega de adiar mais o inevitável, o Amor, o Amor Incondicional, a Verdade e a Luz. Te Amo Meu filho, cubro-te com o Meu Manto de Amor. Não te cales nunca mais. A tua Mãe

Recebido por Jorge Dinis

terça-feira, 29 de março de 2011

Os 10 mandamentos da Nova Terra


1. Exerce a Divina Presença Eu Sou 2. Exerce tua frequência 3. Fala com palavras de amor 4. Dedica tempo à tua atenção interna 5. Honra e respeita teus Pais Cósmicos assim como teu pai e tua mãe na terra 6. Honra e respeita a vida 7. Leva o amor a todos os seres humanos 8. Respeita e honra os senhores da Realidade Divina 9. Tem fé em teu despertar 10. Leva tua Luz ao exterior

segunda-feira, 28 de março de 2011

Orientação aos Médiuns


Vez por outra os médiuns perguntam silenciosamente se de fato os Irmãos Superiores acompanham os trabalhos mediúnicos. Obviamente, em se tratando das atividades de dedicação e amparo ao próximo, os Irmãos das Esferas Superiores sempre acompanham, bem como orientam. A Moral que move a Espiritualidade é a do Amor Puro. Sempre que nossos queridos encarnados se dedicam ao trabalho de abnegados obreiros do bem, suas mentes estão em plena sintonia com a Espiritualidade Superior e por consequência, não há como duvidar do acompanhamento dos Irmãos Maiores. Todavia, quando ocorrem desvios e os interesses do bem são subordinados aos interesses pessoais ou de enriquecimento particular, ocorre o afastamento da Espiritualidade Superior e os Irmãos da Espiritualidade Menor passam a manipular a consciência do médium com diversas imagens e ideias sobre créditos e sucessos infundados, sem relação direta com a Moral maior do Amor incondicional. Quer Deus o respeito recíproco entre os Irmãos de todas as Esferas. Como consequência, o médium imprevidente torna-se porta aberta para os Irmãos da Espiritualidade Menor. Nesses casos, os Irmãos Superiores ficam acompanhando à distância, esperando a oportunidade de serem chamados para os trabalhos. Na Espiritualidade, todos os Irmãos, sejam eles de qualquer grau, sabem das deixas que os encarnados podem desempenhar na Terra, propiciando acompanhamento de legiões de Irmãos de determinada Esfera. Cabe ao encarnado escolher seus pensamentos, assumindo a condição que melhor lhe apraz, para receber a companhia condizente com suas vibrações e sentimentos. Aos médiuns adeptos dos trabalhos moralizantes e de desprendimento, logicamente que terá a companhia de Irmãos da Espiritualidade Superior. Mas se os pensamentos do médium são afeitos aos interesses da carne e da matéria, esse atrairá uma legião de Irmãos que pensam tal qual como ele. Em se tratando dos médiuns que vinculam seus pensamentos aos Irmãos Superiores, buscando disciplinar sua consciência com relação aos trabalhos de desapego dos interesses materiais, esse terá sempre a companhia de Espíritos Superiores e seus mentores serão das Esferas da Espiritualidade Superior. De qualquer maneira, seja qual for à maneira e o sentido dos pensamentos do médium, esse nunca tem apenas um e somente um mentor. São muitos os que se aproximam e passam seus ensinamentos e orientações. Entretanto, é certo dizer que esses grupos de mentores têm um Espírito que coordena as atividades de aproximação e orientação. Quando o médium afina-se com pensamentos materiais, os irmãos menores buscarão uma influência quase que patológica sobre o encarnado. Mas quando esse trabalhador encarnado se dedicar às atividades do bem, seus mentores sempre lhe garantirão o exercício pleno do livre-arbítrio, passando as informações necessárias para o seu aprendizado, sem efetuar discrepâncias em sua capacidade de encarnado e garantindo sua saúde mental. Em diversas ocasiões muitos médiuns esquecem-se dos trabalhos de amparo e de desprendimento, não executando as atividades em consonância com os preceitos do Evangelho. Ocorre que só de leituras e de ações frívolas, o médium assume débitos e compromissos futuros, em próximas encarnações, para resgatar as agruras que deixou na Terra. Na obra “Os Mensageiros”, ditado pelo Espírito André Luiz e psicografado pelo Irmão Chico Xavier, é descrita as histórias de infortúnio de médiuns que retornaram para a Espiritualidade e deixaram diversos afazeres e compromissos incompletos ou executados de forma equivocada dos preceitos Morais do Evangelho. Se cada médium daqueles descritos na obra “Os Mensageiros” conseguisse o desprendimento e a dedicação amorosa ao próximo, nada de sentimentos de derrotas teriam lhes importunado quando analisavam os pontos que ocasionaram suas “derrotas”. Aos médiuns encarnados, rogamos ao Pai Celestial que ilumine seus caminhos. Lembrando sempre que o estudo é importante, mas o amor ao próximo, o desprendimento e o sacrifício pessoal são essenciais para se ter o caminho aberto aos Irmãos das Esferas Superiores. Irmão Atanael Mensagem recebida em 25 de março de 2011. http://espiritualidade2010.blogspot.com/2011/03

Mensagem de Arcanjo Miguel


Domingo 27/03/2011 Filho, Amado filho! É com muita honra e Amor que me dirijo a ti neste momento tão especial para humanidade. Estamos a chegar a um ponto de ruptura, de ebolição. As forças do mal estão já em desespero. Elas irão usar os seus últimos recursos para ainda tentarem, inutilmente, impedir a evolução da terra. Esta é uma altura crucial. Eles irão dar os seus últimos golpes, irão tentar puxar para baixo o máximo de almas que puderem. Vós Guerreiros da Luz, nesta altura é vos pedido que utilizeis a espada que tendes. A Minha espada de fogo, a espada do Arcanjo Miguel. Sacudam, golpeiem tudo aquilo que sentirdes que tem uma energia densa, tudo o que tem uma energia que prende, que arrasta para baixo. Vós já sabeis como sentir isso! Vós já fizestes muitas activações, tendes mais sensibilidade. Conseguis sentir onde está a densidade, a negritude, o desespero, a causa perdida! Amados, não fujam das vossas obrigações agora. Foi dado a poder a quem está preparado. Não agir nesta altura é incorrecto da vossa parte. Mas a escolha é sempre vossa, o vosso livre arbítrio é deixado intacto. Por favor, peço-lhes que não se deixem amedrontar! Impossível! A escuridão nada pode contra a Luz. Usem essa ideia, essa vibração, quando se sentirem intimidados com alguma coisa. Sintam que a Luz vos invade, sintam que a minha espada está nas vossas mãos e está em riste, que Eu enviarei uma Legião de Anjos. Virá um clarão tão forte do céu, um maravilhoso clarão azul com o Meu poder, que nenhuma força do mal poderá sequer olhar para ele. Não temam então, tenham confiança. A confiança é determinante nestas alturas, impede que qualquer manipulação ou ilusão possa ser conseguida para vos amedrontar, para vos fazer recear. É a confiança também que irá chamar por mim, que me irá fazer descer, a mim e às minhas legiões. O Amor tudo vence, o Amor tudo pode. O Amor é uma onda magnífica que envolve tudo à sua passagem. O Amor acontece em cada coração confiante no Amor. Amados Guerreiros da Luz, façam o vosso trabalho. Impeçam as trevas de conseguirem os seus últimos intentos. Estejam atentos, a acalmia é enganatória, é ilusória. À mínima sensação estranha, golpeiem, usem a minha espada. Façam valer o Amor que vos arde no peito. Sejam os mensageiros de uma nova alvorada para a Humanidade. A escuridão não tem mais lugar neste novo mundo. Amem a vida, Amem a Deus.


Eu Sou o Arcanjo Miguel, Líder do exército de Deus. Amo-te Meu filho.


Recebido por Jorge Dinis

Mensagem de Saint Germain


Domingo 22/03/2011 Amado filho, é Saint Germain que te fala. Tens um Dom, o Dom de canalizar os Mestres, usa-o! Usa-o para expandir a tua consciência e a consciência da humanidade. Não te escondas. Sei que a exposição vos deixa vulneráveis a todo o tipo de análise e crítica. São julgados por muitos, incompreendidos por outros, mas também amados por muitos mais ainda. O que quero dizer é que faças o que fizeres, está nas tuas mãos qual a importância a dar aos comentários, críticas e maus olhados. As coisas só te afectam se assim o desejares, se deres importância a tal situação. Os dons de Deus não são para serem desperdiçados. Há que agir, pôr a boca no trombone, dizer ao que vindes, expor, expor, expor. As coisas vão entrando nos ouvidos das pessoas. Vais ver que com o tempo todas te respeitam e admiram pela escolha nobre e inteligente, que fizeste. Arrisca, está na hora de dares o teu mergulho no desconhecido, está na hora de te entregares ao trabalho que te propuseste quando encarnaste agora. Vai filho, vai e mostra a todos que no teu peito vive uma estrela que brilha intensamente, que tem de ser vista pelos outros. Para eles perceberem que também têm uma estrela igual à tua no peito, que só pede por liberdade para brilhar. Esses caminhos que vós escolhestes nem sempre são fáceis, as exposição é arriscada, Eu Sei. Mas é compensadora, sem dúvida. A alegria que não é, as pessoas puderem mostrar aos outros quem realmente são, só pura Luz e Amor a vibrar. Sem máscaras, sem interesse. Só aquela maravilhosa pulsação! Não é magnífico? Pois bem Jorge, o que te digo é para firmares as tuas intenções. O teu fogo já arde intensamente, mas ele não pode viver enclausurado. Tem se sair, tem de respirar, e para isso tem de se expor. E ao se expor, será visto, e é o que tens de fazer agora. Mostrar, mostrar, mostrar! Não duvides filho, deixa o fluxo seguir o seu rumo. Sê feliz ao fazeres o que é a tua vocação. O mundo precisa de ti. Promete não te esqueceres mais da tua missão, na adies o inevitável. Está nas tuas mãos. Tu já sabes o que fazer, Age. Deixo-te na certeza que és muito amado e protegido. O céu olha por ti, voa em segurança. Eu Sou Aquele que te arde no peito neste instante.

Eu Sou o que Eu Sou. Amo-te Meu filho. Fica na Luz do Meu Amor, vibra nas ondas do Meu Fogo violeta. Transmuta tudo à tua volta, eu ajudo! Tem a fé que Sei que tens. Não encolhas as asas nesta altura. É chegada a hora dos Anjos da terra voarem. Deixa tudo o que te impede para trás. Segue a tua intuição, ela guiar-te-à pelos maravilhosos caminhos do Amor.

O teu Mestre, o teu Amigo. Sou Saint Germain.


Recebido por Jorge Dinis

sexta-feira, 25 de março de 2011

Humildade



As trevas agem em surdina e os humanos devem aprender a combatê-las com os recursos da harmonia, da meditação luminosa e da humildade.

A humildade é um dos maiores antídotos ao combate das trevas. Onde há humildade as trevas não se ocupam.

Onde há a vaidade elas acorrem em multidões.

Santo Agostinho

Canal: Francyska

Mensagem importante de ASHTAR SHERAN



Amados filhos da luz eu sou Ashtar Sheran e venho por meio desta carta falar aos quadrantes vibracionais internos de vossos seres.


E atentem para o trabalho interno e o corte de laços de dependência de qualquer técnica ascensional evolutiva que foi ou esteja sendo ensinada e utilizada por vocês.


O ensinamento só tem serventia quando colocado em prática.


Quando da sua prática resulta a expansão de consciência e visão, assim levando cada trabalhador da luz para o próximo passo, para o próximo estágio.


Se bem prestarem atenção, se criou um comércio "espiritualista" para com a desculpa de continuarem a manter as vossas situações materiais estáveis, precisando colocar o valor monetário à frente.


A Fonte bem o disse que não é permitido pela lei divina que se coloque empecilho de qualquer espécie, principalmente monetário, para que os demais alcancem as efusões de energias, as transmissões de ensinamentos.


Para que todos, sem exceção, possam caminhar em suas jornadas, como filhos livres das amarras de conceitos.


Atentem, pois, para o poder de um conceito de uma idéia bom ou ruim.


Já pararam para pensar se não estão a criar armadilhas com os conceitos e ensinamentos e idéias a cerca da luz?


Onde está a conexão e filtro?


Onde está o trabalho evolutivo que leva ao conhece-te a ti mesmo?


Reformulem os decretos, trabalhem os raios, peçam ajuda aos Mestres, mas não peçam para que eles sustentem em vós o que somente vocês podem sustentar em si mesmos.


Não criem dependências, criem companheirismo, amor, sabedoria, trabalho e cooperação.


Com um trabalho honesto, começando por cada um de vocês.


O trabalho interno é de extrema importância, por isso mesmo o amado Cristo Miguel disse que 99% dos trabalhadores da luz estão dormentes.


Só falta atenção de vossas partes para com o que está acontecendo dentro de seus mundos internos.


O que anda a nutrir, sustentar e concretizar em suas vidas internas?


Olhem ao seu redor e terão uma idéia do que acontece dentro pelo reflexo no espelho do que está fora.


Estejam na luz, na paz e no amor da Fonte que tudo mantêm e sabe.


Eu Sou Ashtar Sheran.


Canalização do Grupo SOMOS LUZ EM AÇÃO em 24/03/2011


http://somosluzemacao.blogspot.com/

O Concilio de Niceia



O Concílio de Niceia
Em 325 DC, o Imperador Constantino presidiu ao Concílio de Niceia, no qual 318 Bispos, por ele fortemente influenciados e pressionados, iriam determinar o curso dos 17 séculos seguintes da cultura ocidental.
Foi um dia na história que marcaria, nos séculos vindouros da História Ocidental, o princípio do fim de conceitos como o da pré-existência e da reencarnação, e de importantes conceitos Cosmogónicos como a distinção entre o Deus Ignoto e o Logos, ou Demiurgo, ao mesmo tempo que promovia o distanciamento entre o Homem e o Cristo. Ao mesmo tempo, afirmava a ideia de uma humanidade passiva, “corrompida pelo pecado original”, à qual restava e bastava acreditar na literalidade dos factos históricos da vida de Jesus Cristo e obedecer cegamente aos padres da Igreja – exclusivos intermediários entre Deus e o povo – para ser salva.
Constantino desejava um Império forte e unido. Naturalmente que, para manter o seu domínio sobre o povo e estabelecer uma ditadura religiosa, as autoridades eclesiásticas teriam que promover o obscurecimento e a ignorância do conhecimento existente nas brilhantes escrituras e filosofias arcaicas (e perenes…), que constituíam um obstáculo aos objectivos da nova religião imperial.
Foi no Concílio de Niceia que se deram dados passos decisivos no sentido de criar uma nova religião unificada, engendrada de forma a servir ao Imperador como forma de domínio político e social.
O Deus do Império deveria ser suficientemente forte para se opor aos Deuses do Olimpo, ao Jeová dos Hebreus e ao Buda do Oriente. Misturando as divindades arcaicas orientais com as antigas histórias de Moisés, Elias e Isaías, foram assim convenientemente criados os símbolos da nova Igreja Romana. De igual modo, para a fabricação desta nova religião, assimilaram-se as práticas do paganismo mais convenientes, enquanto, em paralelo, todas as filosofias contrárias aos interesses da Igreja e do Império eram suprimidas ou ocultadas.
O Concílio de Niceia constituiu-se como o primeiro de vinte e um concílios (oficialmente reconhecidos) realizados ao longo dos séculos com o fim de fabricar e consolidar a teologia de uma nova religião concebida para o fácil controlo das populações. Embora tenham havido concílios anteriores, o de Niceia foi o primeiro considerado como Concílio Ecuménico e o primeiro que foi alvo de convocação. E, certamente, é o mais celebrado pela Igreja Católica Romana, em toda a sua história. 1
Iremos ver como nele foram instituídas as primeiras “ferramentas” facilitadoras da criação do profissionalismo religioso e do afastamento entre o Homem e o ideal de Cristo; como foram criados os fundamentos da teologia da nova Igreja Cristã, alicerçados na deificação de Jesus e sua consubstanciação com o Deus Pai, bem como na escolha dos Evangelhos que, a partir deste Concílio, passaram a ser os únicos textos considerados como sagrados no Cristianismo.
A Conjuntura
Vejamos então o conjunto de circunstâncias que levou a este acontecimento decisivo da nossa história e cultura.
Até Constantino, Roma exigia uma obediência total ao estado mas tinha bastante abertura à livre expressão da liberdade do pensamento religioso. Em Roma coexistiam grupos que professavam a Tradição Hermética Egípcia, o Zoroastrismo Persa, o Budismo Oriental, o Monoteísmo Judeu, bem como grupos Gnósticos, Filósofos Platónicos, e outros. Esta confluência de diversidade religiosa e filosófica permitia o intercâmbio de tradições e ensinamentos, contribuindo assim para o desenvolvendo de uma teologia bastante rica. Alexandria era o centro de aprendizagem deste império (que então integrava) e a sua biblioteca era a mais famosa da antiguidade. Além do mais, a sua localização geográfica proporcionava a congregação de pessoas grupos de várias culturas e credos.
Entretanto, a acumulação de riqueza nos estratos sociais mais altos, a cobrança de impostos injustos aos pobres, a escravatura disseminada e o desrespeito pela vida humana, tinham chegado a um ponto de decadência que se tinha alastrado, e que estava agora a corromper o coração do império.
Neste contexto vários grupos Gnósticos2 floresciam em Alexandria. Simultaneamente, nasciam escolas filosóficas e grandes instrutores religiosos que procuravam despertar, nos seus alunos, ideais mais nobres.
Grupos Gnósticos foram aos Cristãos primitivos, verdadeiros herdeiros da Religião-Sabedoria. Até 250 DC, as suas ideias difundiram-se e foram amplamente toleradas. Eles ensinavam que o caminho para a libertação se encontrava pela obtenção da Gnose, o conhecimento das verdades sagradas do Universo Espiritual. Para os cristãos dos primeiros séculos, Cristo era o símbolo vivo da centelha divina em cada Homem; e Jesus, o Homem sublimado, era o “… Chréstos, ou discípulo no Caminho ascendente, (que) havia chegado a ser um poder maior, Christos, ao realizar a união permanente com o seu Espírito, a Mônada Divina, o Pai. Neste estado crístico, Jesus volveu-se apto para ser o veículo de uma Entidade (ainda) mais excelsa, um Mestre de Mestres – o Cristo manifestado em Jesus”3. Através da sua vida e morte, era demonstrada a via da libertação e ensinavam-se os segredos da ascensão espiritual.
Em contraste com a cultura Romana, estes grupos de Cristãos ensinavam a simplicidade, muitas vezes levando vidas ascéticas. Denunciavam a escravatura, a opressão e a brutalidade dos Jogos romanos, onde se sacrificavam os desfavorecidos, às centenas, em espectáculos de carnificina. Roma tinha sido até ai bem sucedida a silenciar protestos populares por meio da morte ou suborno. Estes grupos Cristãos, porém, não eram permeáveis a ameaças: não tinham medo da morte, não eram tentados por suborno, e continuavam a aumentar.
Entretanto, paralelamente, as facções Cristãs mais literalistas, mais fanáticas e que se vieram a tornar Ortodoxas, viram o seu poder confirmado por Constantino. Em 314, um mês depois da morte de Miltiades, Bispo de Roma, o Imperador Constantino nomeou publicamente Silvestre como o sucessor daquele. Silvestre foi o primeiro bispo de Roma a ser coroado como um príncipe. Constantino doou-lhe terras, palácios, poder judicial, dinheiro, força política e até controlo sobre o exército, estendendo assim o seu poder e autoridade sobre todo o Império. Ao ter aceite a aliança entre o Estado e a Igreja, Silvestre foi o primeiro Papa a ter verdadeiro poder temporal. Em troca, promovia-se o papel divino do Imperador Constantino.
Em sequência, dois anos antes da realização do Concílio de Niceia, o Imperador Constantino declara oficialmente o Cristianismo (Ortodoxo) como a religião do império Romano. Consequentemente, toda a Igreja passou também a receber grandes poderes, promovendo assim o apetite pela riqueza da classe eclesiástica. Toda a nova classe de líderes da Igreja Romana deixou então de ser estrangeira no mundo, para ser parte activa no sistema político vigente, acumulando riqueza e dominando congregações. Os Bispos tornaram-se homens de poder e de política, assim como conselheiros do Imperador, alguns gozando de grande prestígio e cooperando com o Imperador na construção da nova religião, como foi um exemplo Eusébio de Cesareia.
A Crescente Controvérsia
Naturalmente, as vozes dos Gnósticos, cujos valores não se coadunavam com os do Império Romano, e que recusavam a interpretação literal da vida de Jesus promovida pela facção ortodoxa, constituíam sum perigo para a Igreja de Constantino. Os Gnósticos entendiam Deus a um nível metafísico e místico, e sugeriam uma relação com o Divino bem mais madura qdo ue a promovida pelos ortodoxos-literalistas. Em consequência, começaram a surgir verdadeiros focos de discórdia e diferendos vários, que vinham a causar grande ressentimentos na comunidade ortodoxa e a contribuir para debilitar cada vez mais a relação entre estes grupos.
Diferentemente da facção ortodoxa, os Cristãos originais, Gnósticos, consideravam o Deus Jeová dos Judeus como o Demiurgo, o Criador ou Governante do mundo imperfeito, do mundo inferior, e não como o Pai de que falava Jesus ou muito menos como o Absoluto,. Pretendiam ainda alguns dos grupos Gnósticos cortar a ligação a este Deus caprichoso, ou melhor, separar o Cristianismo das noções de um Deus ciumento e vingativo que aparece em tantas páginas do Antigo Testamento 4.
Em acréscimo, nos primeiros tempos do Cristianismo discutia-se na Igreja Ortodoxa a segunda vinda de Cristo (Parusia). Acreditava-se – e a Igreja continua até hoje a subscrever esta ideia - que a humanidade estava prestes a entrar numa idade gloriosa em que Cristo voltaria para recompensar os que nele acreditavam, castigar os que não acreditavam nele e voltar a dar vida física àqueles que tinham morrido em seu favor. Por contraste, a generalidade dos Gnósticos não defendiam essas crenças literalistas. Tal como a crucificação, a ressurreição física não significava nada para eles, pois a verdadeira vitória estava em transcender o corpo físico (e a natureza animal), não em transporta-lo depois da morte. A ressurreição de Cristo não era interpretada de uma forma literal mas sim simbólica, referindo-se a uma transformação interior levada a cabo na Iniciação nos Mistérios.
Outros diferendos, como a Doutrina das Emanações, e as doutrinas sobre a Criação do Universo, suscitavam de igual modo feroz reacção nos Cristãos ortodoxos, tendo-se atingido o ponto máximo de controvérsia – que levou à convocação do Concílio de Niceia por Constantino – com a discussão em torno da Doutrina da Trindade.
A Controvérsia “Ariana”
Discutida pela primeira vez no Concílio de Antióquia em 269 DC, as divergências sobre Doutrina da Trindade alcançam o seu climax no Concílio de Niceia, quando do diferendo entre Arius (e seus seguidores, os “Arianos”) e o Bispo Alexandre de Alexandria (e seu protegido Atanásio), relativamente à consubstancialidade de Jesus com Deus Pai, defendida por este(s) último(s).
Até então, em muitas comunidades Cristãs, era o ensinamento preponderante que Jesus fora um homem que, em virtude da sua vida perfeita e sem pecado, recebera pelo baptismo a Iniciação, tornando-se (um) Salvador do Mundo. Este tinha sido também o ensinamento da Igreja até então, nomeadamente através de Paulo de Samosata (260 – 272 DC), Bispo de Antioquia.
Esta concepção foi seguida por Arius, um presbítero da Igreja de Alexandria. Começava, no entanto, a surgir a tendência materializante da facção ortodoxa. Deste modo, e ao contrário de Arius, Alexandre, Bispo de Alexandria, afirmava nos seus sermões que, em relação ao mistério da Trindade, o Filho era igual ao Pai, que o gerara, e da mesma substância. Dava-se início, assim, à formulação das três pessoas da divindade cristã ortodoxa, uma trindade antropomorfizada e que não admite divindade superior. Arius, tendo sabido dos sermões do Bispo, declarou-lhe oposição e afirmou publicamente a sua dedução lógica: se o filho era gerado pelo Pai, tem que ter havido um tempo, um momento em que o Filho não existia, ou seja, o momento anterior à sua criação. O Filho tinha, portanto, tido um começo, um início. Antagonizando o Bispo Alexandre, Arius iniciou uma forte campanha ensinando em Igrejas e assembleias públicas a doutrina de que Jesus Cristo era filho do Pai, criado pelo Pai e, portanto, uma criatura. Em resposta o Bispo Alexandre escreveu a vários Bispos, incluindo ao Bispo Alexandre de Constantinopla, denunciando Arius e os seus seguidores por tentarem evitar a deificação de Cristo.
O verdadeiro propósito do Concílio de Niceia
Constantino terá percebido que a controvérsia entre os seus Bispos podia constituir uma ameaça e ser um impedimento à unidade do Império Romano. Ou, talvez ainda mais provavelmente, Constantino terá visto nesta conjuntura uma oportunidade para a unidade da religião que ele pensava impor ao império (e como forma de controlar a população), e que acabou por assentar na facção que se opunha a Arius – a facção que veio a ser a ortodoxa.
A nova religião imperial, assente numa mistura confusa das ideologias dos vários grupos Cristãos e Pagãos, permitia a difusão desejada. A adaptação (desvirtuadora, embora) das tradições do passado, facilitaria também a sua aderência pelos povos de Roma.
Adicionalmente, ao atribuir “origens divinas” à Igreja Cristã de Roma, garantia-se que Deus ficava acessível apenas à hierarquiaeclesiástica – controlada por Constantino – e não ao indivíduo comum. Constantino estendia então e reforçava o seu poder político através de todo o Ocidente, garantindo também que, como Imperador defensor da Igreja, se revestia ele próprio de uma manto divino.
Quanto à moralidade que Jesus teria ensinado, esta seria gradualmente modificada de acordo com interesses do Império e da Igreja, que impunha que “fora da igreja não há salvação”, evitando focos de dissidência.
Por último, e de modo a garantir a adesão da população a um catecismo pouco credível, a Igreja postulou a ideia que acreditar nos eventos históricos da vida de Jesus era o suficiente para a salvação, fundando-se assim a “Religião Imperial Católica Apostólica Romana” ou, por outras palavras, o Cristianismo Imperial de Constantino.
O Concílio
Segundo Helena Blavatsky uma névoa de mistério envolve este concílio, o qual “… pode muito bem ser chamado de misterioso. Havia mistério, em primeiro lugar, no número místico dos seus 318 5 bispos, a que Barnabé deu muita importância; além disso não há concordância entre os escritores antigos quanto à época e ao local de realização dessa reunião, nem mesmo sobre quem seria o bispo que a presidiu” 6. Não obstante, os frutos da realização deste concílio marcaram de forma indelével o curso da nossa civilização.
Segundo a história oficial da Igreja Católica, o concilio terá sido presidido pelo próprio Imperador Constantino, e nele terá estado presente Eusébio de Cesareia, um dos maiores apoiantes da Ortodoxia, que mais tarde reescreveu a história da Igreja, segundo a perspectiva do Cristianismo Imperial de Constantino.
Deve-se a este concílio duas ferramentas chave da teologia da igreja Católica:
A decisão de quais, entre os muitos Evangelhos existentes, eram inspirados pelo Divino, ou seja, a selecção dos Evangelhos oficiais (e a subsequente erradicação de todos os escritos considerados apócrifos);
A formulação Oficial da Doutrina da Trindade, em que a Igreja rejeita o principio “Ariano” (de Arius) e afirma que Jesus é da mesma substância (ou seja, é a mesma entidade) que Deus.
Consequentemente, o Credo de Niceia foi redigido e modificado (nele se inserindo várias redundâncias) de forma a identificar o Pai com o Filho. Quem discordou, foi pura e simplesmente perseguido pelo imperador.
Ainda durante os vários séculos posteriores, os concílios defenderam as visões mais antagónicas e contraditórias sobre a Doutrina da Trindade, visando reforçar cada vez mais a ideia da identidade de Jesus como Deus Absoluto, e o consequente afastamento do Homem e do ideal do Cristo. É exemplo a proclamação de Maria, mãe de Jesus, como “Theotokos” – mãe de Deus – no Concílio de Éfeso realizado em 431 DC.
O Concílio – a selecção dos Evangelhos
Quanto à selecção dos Evangelhos, diz-nos HBP na sua obra “Ísis sem Véu”:
“Todo o actual dogmatismo religioso da Igreja se deve à Sortes Sanctorum, a prática de lançar à sorte alguma coisa com o fim da adivinhação, exercida pelo clero cristão primitivo e medieval. Não sendo capazes de concordar quais dos numerosos Evangelhos seriam os mais divinamente inspirados, foi resolvido no concílio de Nicea deixar a decisão nas mãos da intervenção milagrosa” 7. Como tal, os actuais Evangelhos Canónicos são estes e não outros devido à Sortes Sanctorum.
Curiosamente esta prática de adivinhação era considerada uma prática sagrada, se feita pelo clero cristão primitivo e medieval. Porém, se exercido por leigos, hereges ou pagãos o sortes sanctorum convertia-se, se acreditarmos nos piedosos padres, em sortes diabolurum ou sortilégio (feitiçaria) 8.
Ainda segundo Helena Blavatsky, “… Pappus diz-nos no seu Synodicon daquele Concilio: ‘Depois de terem promiscuamente colocado todos os livros que tinham sido referidos para determinação ao Concílio sob a mesa de comunhão de uma Igreja, eles (os Bispos) imploraram ao Senhor para que os livros inspirados fossem parar em cima da mesa, e assim sucedeu (…) Com base na autoridade das testemunhas eclesiásticas, portanto, tomamos a liberdade de dizer que o mundo cristão deve a sua ‘Palavra de Deus’ a um processo adivinhatório, pelo qual a Igreja, em seguida, condenou vítimas infelizes como conjuradores, encantadores, mágicos, feiticeiros e vaticinadores e os queimou aos milhares. Falando desse fenómeno verdadeiramente divino da escolha dos manuscritos, os padres da Igreja dizem que o próprio Deus preside ao Sortes”’ 9.
Refira-se que, nos primeiros séculos do Cristianismo. os Evangelhos teriam chegado a ser mais de 300. A sua redução para somente 4, decorrente do Concílio de Niceia, e o facto de se conhecerem hoje mais de 60 Evangelhos ditos “apócrifos” (como os de Tomé, de Pedro, de Filipe, de Tiago, dos Doze Apóstolos, dos Hebreus, etc.) vem demonstrar o papel preponderante da Igreja Católica na eliminação e adulteração dos primeiros escritos cristãos. Adicionalmente, sabe-se que os diversos grupos de Cristãos Gnósticos, de que são exemplo os Ebionitas e os Nazarenos, tinham os seus próprios Evangelhos, muito diferentes dos textos seleccionados sob os auspícios de Constantino.
Reforçando a incoerência de todo este processo, e de acordo com um dos compiladores da obra “Apócrifos, os Proscritos da Bíblia”, houve textos que, não obstante eliminados da Bíblia Romana, viriam mais tarde a ser nela reintegrados, como são exemplos o Livro da Sabedoria (atribuído a Salomão), o Eclesiástico ou Sirac, as Odes de Salomão, o Livro de Tobias, o Livro de Macabeus, e outros mais. Outra parte de escritos veterotestamentários ficou, no entanto, de fora, como o famoso Livro de Enoch, o Livro da Ascensão de Isaías, e os Livros III e IV dos Macabeus.
O Concílio – o Credo Niceno
Para prover a nova religião de origens divinas, os Bispos reconstruíram um credo existente, enfatizando a consubstanciação do Filho com o Pai, de Jesus com Deus:
“Creio em Deus Pai Todo Poderoso, Criador do Céu e da Terra, e de todas as coisas visíveis e invisíveis;
E em um Senhor Jesus Cristo, filho unigénito de Deus, gerado de Seu Pai antes de todos os tempos, Deus de Deus, Luz da Luz, Deus Verdadeiro de Deus Verdadeiro, gerado e não criado, consubstancial ao Pai (…)”
De facto, como já foi dito, um dos dois pontos na agenda do Concílio, foi a discussão sobre a natureza de Cristo e a natureza da sua relação com Deus: se o Pai tinha existido antes do Filho, e se Pai e Filho eram da mesma natureza ou “apenas” de natureza semelhante. A discussão centrou-se à volta de uma variação da palavra grega “homos”: em grego a palavra “homos” significa da mesma natureza ou substância, consubstancial. No entanto, adicionando um “i” à palavra – “homoios” – passa a significar de natureza semelhante. Decidiram os Bispos que o termo correcto para designar Jesus seria, na língua Grega, “homos”, ou seja, consubstancial.
A Trindade de Hipóstases divinas existente no Hinduísmo e no antigo Egipto, assim como em todos os sistemas religiosos e filosóficos arcaicos 10, foi assim decalcada e antropomorfizada. Consequentemente o Concílio decidiu que a Trindade Cristã seria constituída por Três Pessoas: o Pai, o Filho (Jesus) e o Espírito Santo, e que Jesus, o Filho, era consubstancial a Deus.
Nos Mistérios e religiões arcaicas que antecederam a Cristandade, era bem conhecido que o termo “Filho de Deus” se usava para designar o grau de Iniciação nos mais altos Mistérios, a realização da sua natureza divina por parte do iniciado. Quando um aspirante alcançava, através da Iniciação, de grandes provas e sofrimentos, um elevado estado de perfeição, o seu nome era transformado em Christos, o “purificado” 11. Para a generalidade dos grupos Gnósticos, Jesus era a Sabedoria e a palavra de Deus em virtude da sua indissolúvel união com o Verbo. Cristo, filho de Deus, corresponde analogicamente ao segundo Aspecto do Logos e o princípio Cristico, ou Buddhi, no homem.
Como é óbvio, estas considerações metafísicas por muito enriquecedoras do ponto de vista do conhecimento religioso-filosófico que fossem, não beneficiavam em nada o poder e a autoridade da classe eclesiástica, que se começava a formar no Império através do domínio da facção ortodoxa nas paróquias.
Se os padres da Igreja Ortodoxa fizessem a distinção entre a preexistência da alma de Jesus (ou Jesus homem) e o Cristo ao qual ele ascendeu, isso implicava obviamente que qualquer alma podia, da mesma forma que Jesus, vir a identificar-se com o Filho e, portanto, a progredir na direcção de uma União com a Divindade. O poder e a autoridade do Clero, como únicos mediadores entre Deus e o Homem, seriam, desta forma, ameaçados.
Os padres tomaram portanto a direcção contrária – uma direcção que lhes permitisse o controlo absoluto dos seus crentes, um movimento na direcção da absoluta deificação de Jesus.
Em oposição, vários Bispos favoráveis às teses de Arius apresentaram um outro credo ao concilio, o qual foi rasgado, resultando na excomunhão de Arius. O livro de Arius foi igualmente queimado no próprio concílio. Uma confissão de fé (o Credo Niceno) foi então escrita no concílio e assinada por todos os presentes, de acordo com ordem dada por Constantino. Todos os que se recusaram a assinar o Credo, foram banidos.
O Credo subscrito em Niceia é muito mais do que a afirmação da Divindade de Jesus: é também a afirmação da nossa separação de Cristo e do Divino.
Entretanto, curiosamente, o Credo Niceno é também visto por alguns estudiosos como um simples (mas pouco lúcido) desenvolvimento da fórmula “O Buddha, A Lei, A Comunidade Monástica (Buddha, Dharma, Sangha), tendo sido o Concílio o momento em que o Cristianismo rompeu definitivamente com o Budismo eclesiástico, visto que os Essenos, os Terapeutas e os Gnósticos são identificados como o resultado da fusão entre o pensamento Indiano e Semítico, demonstrado por comparação entre a vida de Jesus e Buddha. Na parte lendária, ambas as histórias são idênticas. A parte lendária é contrastada com a característica correspondente noutras religiões, principalmente com a história Védica do Visvakarman” 12.
Aliás, são patentes as similaridades do Credo Niceno com a antiga doutrina Hindu. Krishna era considerado como a incarnação de Visnhu, cuja função era análoga à Segunda Pessoa da Trindade Cristã. No Bhagavad-Gita (datado aproximadamente de 250 AC), o mesmo Krishna é representado como a suprema personificação de Brahman – a divindade suprema que desce para iluminar o homem e contribuir para a sua salvação. Isto vem evidenciar, uma vez mais, que o Credo proposto pela facção ortodoxa e feito assinar pelos Bispos em Niceia resultou de uma amálgama fabricada com elementos de outras doutrinas mais antigas, adaptadas aos interesses e objectivos da nova religião imperial.
Posteriormente, ao longo da História da Igreja Católica, e no decorrer de vários concílios, foram também adicionadas ao Credo Niceno diversas outras referências reflectindo a constante adaptação da religião fabricada, nomeadamente a inclusão da passagem “… e encarnou pelo Espírito Santo na Virgem Maria…” e “… também por nós foi crucificado e sob Pôncio Pilatos”, numa clara tentativa de enfatizar um elemento Histórico na vida literal de Jesus, justamente por ser um elemento controvertido” 13.
Conclusão
Como vimos, a política do Império Romano foi lentamente assimilada na Igreja, sendo formulada uma religião totalitária com o nome de Catolicismo Romano. A ascensão de Constantino foi um período de grande crescimento da Igreja, com o criar da religião oficial do Império.
Vimos também que no concilio de Niceia se dão os primeiros passos no sentido de construir os alicerces da teologia desta igreja oficial: são “sorteados” os Evangelhos “Divinamente” inspirados, e Jesus Cristo é oficialmente declarado como Deus.
Após este acto, haverá sempre, para muitos, um abismo entre a humanidade e Cristo. De acordo com os padres pós-Niceia, Jesus é o próprio Deus Eterno Imanifestado e Absoluto. Também a noção de “Iniciação” é eliminada. As doutrinas gnósticas e esotéricas, cujos ensinamentos incidiam na evolução espiritual, tornaram-se supérfluas e indesejáveis. A teologia resultante do Credo Niceno promoveu uma passividade em que, de acordo com aquela fórmula, qualquer pessoa tem apenas que aceitar o credo, partilhar dos sacramentos, obedecer aos Bispos e à Igreja, bem como às decisões dos concílios, e será “salvo”.
Este concílio e as doutrinas daí advenientes prepararam também o terreno no qual floresceram as doutrinas do pecado original e do Inferno Eterno, contribuindo para a degradação e aviltamento da humanidade.
Vimos ainda que o triunfo do Cristianismo não pode ser separado da influência politica do Império Romano. Ao promover o casamento entre igreja e estado, os líderes da igreja tornaram-se monarcas e Constantino foi quase foi considerado um santo. Consequentemente, uma das grandes preocupações da Igreja foi (não a teologia) mas a eliminação de todos os elementos que se atravessaram na obtenção do poder absoluto. A partir daqui e até 1798 (quando os exércitos de Napoleão entraram em Roma), o Papa e as Monarquias governaram em uníssono.
Quando Constantino morreu, em 337, foi Baptizado (ironicamente só no seu leito de morte e por um seguidor de Arius) e enterrado na consideração que se tornara um décimo terceiro apóstolo. Na iconografia eclesiástica foi representado como recebendo uma coroa da mão de Deus…
Helena Castanheira
Licenciada em Gestão de Empresas
Notas:
1 Dean Dudley, “History of the First Council of Nice”.
2 Sobre os grupos Gnósticos vide Capítulo II de “Cristo” por José Manuel Anacleto (CLUC, Lisboa, 2005); “Os Antigos Gnósticos e o Cristianismo Primitivo” por Ana Isabel Neves, na revista “Biosofia” n.13; H. P. Blavatsky, “Ísis Sem Véu” – Volume III; “H. P. Blavatsky On The Gnostics”, H. J. Spierenburg.
3 José Manuel Anacleto, “Cristo”, pág. 85.
4 Ver Biosofia n. 18, pág. 17.
5 Helena Blavatsky demonstra no Volume VIII dos seus “Collected Writings” como este número reflecte uma mistura entre nomes e alegorias Egipto-Judaicas do Antigo Testamento com as dos Gnósticos Gregos. Nomeadamente São Barnabás, companheiro de São Paulo, relaciona o número 318 com o IHT, em que o Tau (T) significa Jesus crucificado. Também um cabalista relaciona este número com as letras hebraicas Jod, Cheth, e Shin, donde deriva o IHS, que corresponde ainda hoje ao monograma de Cristo.
6 Helena Blavatsky, “Collected Writings” – Volume III, pág. 211.
7 Helena Blavatsky, “Isis Sem Véu” – Volume III, págs. 251.
8 Helena Blavatsky, “Glossário Teosófico”.
9 Helena Blavatsky, “Isis Sem Véu” – Volume III”, págs. 251-253 (cit.).
10 Helena Blavatsky refere no Volume XIV dos seus “Collected Writings” como Orfeu, Pitágoras e Platão, que afirmavam a Trindade das Hipóstases divinas, derivaram grande parte da sua doutrina dos Egípcios, anteriores a eles, e como, por sua vez, os Egípcios certamente derivaram a sua Trindade da Trindade Hindu – Hiranyagarbha, Hari, e Sansara (Brahmâ, Vishnu, e Shiva) – as três hispóstases do Espírito que se manifesta.
11 Helena Blavatsky, “Glossário Teosófico”.
12 Helena Blavatsky, “Collected Writings” – Volume X, pág.67.
13 José Manuel Anacleto, “Cristo”, pág. 84.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Perdoar não é só palavras... Mensagem de Metatron



Canalização de Sandra M. Luz
23/03/2011

Aqui estou mais uma vez meus queridos e amados seres.
Acredito que neste novo trabalho com este canal os ensinamentos, que trarei a vocês serão mais rapidamente assimilados.
Então vamos para a lição de hoje.
Ouvindo este canal dizer que se cobra muito para não cometer erros, e que, consequentemente, acaba também cobrando dos outros, resolvi escrever sobre isso para vocês.
Primeiro vocês todos precisam entender que estão na Terra para aprenderem e evoluirem, portanto, o aprendizado nem sempre ocorre na primeira lição.
Ainda que tenham o desejo de fazer sempre o vosso melhor, nem sempre o vosso melhor é o melhor do outro e vice-versa.
O Criador consciente de que todos vocês estão em vossas caminhadas de evolução, tem um olhar de compaixão para com todos, olhando apenas para as qualidades internas que todos possuem.
E também, atento às dificuldades que cada um encontra em vossas lições diárias, através da sua misericórdia divina, permite a cada um a oportunidade de se corrigir.
Vocês, através de crenças, criaram em vossos registros o que é certo e o que é errado e incorporaram em vossas vidas essas “regras”.
A maioria de vocês vive sobre essas “regras” e ainda que muitas vezes não concordem com as mesmas relutam em infringir-las.
E o que é certo? O que é errado?
Vocês não precisam fazer essa análise crítica pois o vosso coração vos dirá verdadeiramente o que é certo e o que talvez não seja.
O que importa é o que vocês fazem, pensam e sentem.
É isso o que importa, porque a vossa evolução só pertence a vós e a mais ninguém.
Vocês só serão analisados sobre os vossos atos e não pelas ações do outro.
Portanto meus queridos, analisar a atitude de outra pessoa, discordar, julgar, criticar é direcionar a vossa energia em algo que não lhes traz nenhum benefício.
As cobranças que receberam quando eram crianças foram as mesmas que os vossos pais receberam. Assim sendo, com os conhecimentos que vocês receberam devem entender, perdoar e seguir adiante.
Mas vamos falar um pouco mais sobre esse processo do perdão.
O Grande Mestre já ensinava a todos nós, “é perdoando que somos perdoados”.
E o que significa essa frase meus queridos?
O Perdão é uma expressão do Amor, da Misericórdia, da Compaixão, portanto ele precisa ser SENTIDO para ser Curado dentro de você.
Apenas verbalizar que perdoa alguém não é o bastante, pois com a mágoa e com o ressentimento muitos pontinhos obscuros aparecem em vossas auras e para que elas sejam limpas precisam de algo mais forte.
O Amor, a Misericórdia, a Compaixão, o Respeito pelo outro, quanto às suas limitações e quanto ao seu grau de evolução traz uma vibração, que limpa de forma
energética todas essas camadas, esses pontinhos obscuros.

E como podemos perdoar verdadeiramente Metatron?

Pensem na pessoa que vos magoou, ou decepcionou.
Revejam a cena que originou essa mágoa.
Agora coloquem a imagem dessa pessoa em um palco diante de vós, conversem com ela e digam o que sentiram.
Digam a ela que vocês perdoam e a aceitam como é e entendam que ela, bem como vós, estão em processo evolutivo.
Prometam-se a vocês próprios que não irão mais julgar nem criticar. Assim, quando esse sentimento de julgamento surgir lembrarão que cada um está em seu processo e que devem focar-se apenas em vosso processo pessoal.
Enviem a essa pessoa Amor, através da Chama Rosa, que sai do vosso coração e verbalizem o vosso profundo desejo de que a Luz também guie o seu caminho.
Perceba que o sentimento que agora reside em vossos corações é o de respeito e de alívio, pois vocês verdadeiramente PERDOARAM, NESSE MESMO INSTANTE.

E assim terminamos a canalização de hoje.
Deixo a todos vocês minha energia de Amor e Luz.

EU SOU Metatron, o Senhor da Luz.

sandramluz2010@hotmail.com
sandramluz2010.blogspot.com




quarta-feira, 23 de março de 2011

Salvação da Mãe Terra


Por Alexiis

São 12:35, estava pensando em nada, nem em canalizar, nem por algo por este estilo.

E realmente não posso dizer se isto é uma canalização, mas de repente eu estou cercada por todas as Deusas Luz, de toda a energia feminina, e juntas nos vamos elevando, nos vamos elevando, cada vez mais e mais e mais.

Vamos elevando-nos, unindo-nos, a todos os Seres de Luz que queiram se unir, não só femininos, mas todos que queiram se unir.
Formamos um círculo enorme em torno da Mãe Terra.
Neste momento eu me sinto como se fosse um anjo, eu abro minhas asas, extendendo-as tanto quanto possível, e vejo que todas estão fazendo o mesmo.
Todas, Mãe Maria, Maria Madalena, Kuan Yin, todas.
Todas as Deusas de Luz de repente temos asas, e as estendemos ao máximo, com a finalidade de absorver com a nossa energia, a radiação que nos chega desde o tão castigado país, Japão.
Agora eu percebo que, o que estamos fazendo, é para absorver a energia negativa que está no ar, e que pode danificar o planeta inteiro, não só o Japão, porque pelo ar, pela atmosfera, podem ser distribuídas por toda parte. Cada gota de chuva pode estar carregada com esta energia tão nociva, tão mortal para nós.
Então nós absorvemos isso, e transformamos em em luz e amor, luz e amor. É um trabalho enorme, isso que nos espera. Porém, desde muitas eras, temos nos preparado para isso.
Nós estamos circulando o planeta, onde vemos trevas, um grupo de nós baixamos e irradiamos luz, luz. Luz e amor.
Estamos trabalhando para clarear tudo, estamos trabalhando para que todo o planeta seja um planeta azul, o famoso planeta azul. É um trabalho enorme.
Estou bem ciente, que não é suficiente fazê-lo uma só vez.
Mas, é como a mim foi indicado, eu tenho que pronunciar em palavras compreensíveis para os outros seres humanos.
Para aqueles de vocês que não estão em condições de elevar-se em semelhante forma.
Simplesmente enviem a energia da luz e do amor, de qualquer forma, ninguém pode estar sem atividade agora.
É essencial se quisermos salvar Gaia(Terra), em estar ativos neste momento, em estar trabalhando, em estar enviando luz.
Nós, a luz, não apenas a energia feminina, mas todos, todos os Mestres. Todos, absolutamente todos, inclusive o próprio Criador.
É todo uma enorme auréola de luz e de amor, que se está emanando ao planeta.
Recebemos a ajuda de todos os sistemas estelares, de lados inimagináveis ​​do Grande Sol Central, de todas as partes.
De todas as partes recebemos ajuda, para superar este momento tão, mas tão crítico para o nosso amado planeta.
Vejo tudo na minha frente, é como se passasse um filme, não posso expressar em palavras, mas sim lhes digo, imaginem-se um enorme anel de luz circundando a Mãe Terra.
Estamos indistinguíveis uns dos outros, somos tão unidos, tão interconectados, neste trabalho que estamos fazendo, que é impossível dizer, ah ... aqui está a Mãe Maria, a Kuan Yin, a Alexiis, não. Estamos todos unidos, a energia feminina e masculina, todos, porque todos nós estamos conscientes do importante, do essencial neste momento, salvar a Mãe Terra.
Não é possível, que por um fato assim, todo este trabalho que se vem fazendo, todo sacrifício que se tem feito, durante anos e anos, fique em nada.
Mas neste momento, sim, não há ser humano que não deva ajudar.
Todos vocês, mesmo estando na Terra, mandem luz, mandem amor. Se não sabem como fazer isso, simplesmente pensem, pensem. Pensem em um ser amado, pensem na Mãe Terra, é a que nos deu abrigo, por eras, e nós não temos agradecido.
Bem, este momento é essencial para fazê-lo.
Por favor, queridos irmãos, por favor, queridos humanos, tomem consciência, e lhes digo, que mesmo os outros reinos, embora vocês não percebam, eles estão fazendo o mesmo trabalho.
Todos, absolutamente todos, toda a energia se concentra em salvar o planeta, o que importa é a salvação do planeta. Isso é o que devemos fazer.
E aqui, eu, Alexiis, me despeço. Transmiti a mensagem que me pediram para transmitir, isso não significa que agora eu me retiro.
Sigo em meu trabalho de luz, mas paro de falar.

Amor, amor, e amor.
Alexiis
Mar 17, 2011
alexiis@speedy.com.ar

A energia da intenção



Uma mensagem de Jennifer Hoffman
7 de Março de 2011.
Uma vez que começamos a nos perceber como seres energéticos que vivem em um mundo energético, podemos compreender o relacionamento que existe entre a alma e o ser humano, que é um reflexo disto entre o céu e a terra. Enquanto o nosso foco tende a ser fixado em nossa humanidade, porque é do que estamos cientes, somos uma fusão de muitas energias diferentes, que nós controlamos através de nossos pensamentos. Cada pensamento é uma intenção, um comando que emitimos para a energia que nos rodeia, para que ela possa se manifestar no ser.
A natureza da energia é vir a ser, que é o seu único propósito. E nós somos aqueles que temos o poder de comandá-la. Na verdade, ela só responde a nós. Imaginem estando rodeados por uma multidão de seres, todos focados em vocês, esperando que vocês lhes digam o que fazer. Isto é exatamente o que somos como seres humanos que vivem em um mundo energético. Estamos rodeados pela energia, cujo único propósito é fazer o que pedimos. E nós pedimos através da intenção.
Cada pensamento é uma intenção, um comando que sai e é manifestado exatamente como é. Isto muda a maneira com que vocês percebem os seus pensamentos? Deveria porque cada um é igualmente poderoso e é respondido da mesma maneira. Não há bons ou maus pensamentos, há somente pensamentos. Não há boas ou más manifestações, pois cada uma depende de nosso nível de vibração, das frequências energéticas que mantemos e como estamos conectados ao nosso poder e conscientes dele. Quanto mais poder colocamos em nossos pensamentos, maior será a resposta energética.
Enquanto nos concentramos no uso da intenção como uma ferramenta de manifestação, não estamos cientes de que todos os nossos pensamentos são parte da intenção e que todos eles se manifestam. Assim o pensamento ineficiente, limitante, derrotado, obtém tanta atenção e cria tanto quanto o pensamento ilimitado, positivo.
Quando temos uma mistura de pensamentos, eles tendem a se anular mutuamente e a nossa criação é bloqueada. Qual é a sua intenção para a sua vida, para o sucesso, os relacionamentos, ou o amor? O que vocês estão pensando sobre eles? Cada pensamento é uma intenção, de modo que para criar os resultados melhores e mais elevados para vocês, lembrem-se de que cada um recebe a mesma resposta e criará da mesma maneira. Escolham aqueles que vocês querem realmente e é isto que vocês terão.

Direitos Autorais 2011 – Jennifer Hoffman – www.urielheals.com

terça-feira, 22 de março de 2011

Ainda sobre A Mônada...




Partilho convosco um dos melhores textos que li sobre este assunto. Ora leiam também:

"Estamos na nossa experiência terrena condicionados ao Eu, um condicionamento necessário à evolução e expansão do Todo. Este condicionamento permite-nos viver e experienciar a vida na Terra como seres individuais, fazendo-nos esquecer um pouco da nossa existência primordial e da nossa ligação ao Todo.

Uma das teorias mais interessantes referentes à forma como se dá a ligação ao Todo é a proposta pelo Dr. Joshua David Stone, Ph. D. em psicologia transpessoal, a Teoria das Mónadas, a qual é sustentada pelos ensinamentos de dois dos mestres de Joshua, a britânica Alice Bayley (1880-1949) e o tibetano Djwhal Khul.

Segundo esta teoria, existe uma energia que se designa Mónada que se divide em 12 extensões que se designam Alma. Por sua vez, cada alma divide-se em outras 12 Extensões da Alma que experienciam a densidade, seja na Terra seja em outro plano material; assim sendo, cada um de nós que experiencia a vida na Terra, é uma extensão de uma energia superior designada alma.

Uma mónada é assim constituída por um total de 144 extensões que constantemente partilham experiências entre si, evoluindo e fazendo evoluir cada alma e consequentemente cada mónada. A energia Alma pode também ser vista como a energia que cada vez com mais frequência se conhece como o Eu Superior e a Mónada, na sua ligação com todas as outras mónadas, a energia que normalmente se designa por muitas culturas, como Deus.

Esta teoria acende muitas luzes, por exemplo, sobre o mundo dos sonhos. Quando sonhamos, acedemos também às memória e experiências de todas as outras 143 extensões da mónada, mas mais estreitamente às memórias das 11 extensões da alma que pertencemos. Durante um sonho pode ocorrer uma cura ou simplesmente uma das outras extensões, ou mesmo a energia da alma, pode-nos dar informação valorosíssima para a resolução de determinado problema.

Medos e fobias podem até ser aliviados, se a extensão está a passar por momentos demasiado dolorosos e a alma decide que a experiência não está a decorrer de acordo com a experiência pretendida. Normalmente isto acontece através da experiência de sonho que designamos por pesadelo mas que se deve entender como uma experiência necessária para a cura de determinado aspecto em nós próprios.

Esta teoria explica também determinadas dores ou efeitos físicos sem causa aparente, que acontecem inexplicavelmente e desaparecem conforme surgiram. Por exemplo, se uma das extensões da Alma está a experienciar uma morte traumática, ou dolorosa fisicamente, essa dor pode ser experienciada, ainda que a um nível subtil, pelas outras 11 extensões da mesma alma, ou mesmo, por todas as outras 132 extensões das outras 11 almas pertencentes à mesma mónada.

Esta teoria diz-nos ainda que, quando se entra em processo de regressão, está-se não só a aceder aos nossos registos akáshicos, mas, se necessário, aos registos das outras 143 extensões da mónada, caso por exemplo, se uma experiência doutra extensão influenciou duma forma marcada, a nossa vida actual.

O facto de sentirmos inexplicavelmente que conhecemos uma pessoa há muito tempo, quando a acabámos de conhecer à minutos, explica-se por esta teoria, pois essa pessoa pode simplesmente ser uma das outras 11 extensões da sua alma, com a qual, você partilha as suas experiências e que normalmente na Terra designamos como Alma Gémea.

Estar na presença de uma das outras 132 extensões das outras 11 almas, pode também fazer aflorar o sentimento de familiaridade. Diz-se que quando duas extensões da mesma alma se juntam numa mesma experiência, se cria uma energia muito forte e que quando os seus propósitos de vida na Terra é a evolução dos aspectos ligados ao corpo espiritual, ambas as extensões evoluem bastante pois a sua ligação é bastante mais estreita.

A teoria das mónadas mostra-nos por fim, que somos todos Um, porque todas as mónadas estão também ligadas entre si, evoluindo e trabalhando constantemente para a evolução e expansão do TODO... "
++

sexta-feira, 18 de março de 2011

A Mônada





A ESTRUTURA DOS CORPOS NA MÔNADA
Cada Ser possui a sua Mônada, com a partícula Primogênita emitindo os doze raios da purificação. Quando o Corpo Mental permanece em sintonia com o Corpo Moral, recebe deste toda energia que necessita, para organizar o Corpo Causal adequado e limpo, que construirá o Corpo Etérico adequado e perfeito, com sua capa anatômica livre de moléstias ou perturbações, o Corpo Físico. A sintonia dos Corpos, obtém-se através da reforma íntima, do autoconhecimento, da consciência, que é o exercício da Fraternidade Universal.

Vocês existem em todas as dimensões ao mesmo tempo!




Isto é Deus: o casamento entre mente, matéria, energia, amor e luz.

Sejam quais forem as palavras ou os conceitos que vocês pessoalmente possam usar, Deus é uma ponte inexplicável que se expressa em 3D, pronto para abrir e re-conectar tudo.

Como humanos vocês frequentemente oram para isto acontecer sem entenderem que vocês estão orando para si mesmos.

Sua vida é a manifestação de tudo neste universo que não pode ser dito ou explicado.

É exatamente esta a razão do por que VOCÊS vieram para a 3D, do por que VOCÊS escolheram existir neste estado de 3D, sem que isto jamais os tenha afetado ou diminuído realmente.

Nós rimos muito às vezes, quando nós estamos com vocês nos bastidores, porque vocês levam tão a sério as coisas, os eventos e as pessoas na sua vida, sem reconhecerem que vocês vivem reencontrando essa mesma essência; a essência chamada Deus.

Isto é o que vocês realmente são, e o que vocês realmente fazem: vocês aparentemente removem todas as outras dimensões de sua consciência, condescendentemente, a fim de viverem-nas aqui.


A vida é cheia de dimensões, todas as experiências e todos os momentos no tempo e espaço são a faceta de uma dimensão que vocês escolheram experimentar aqui na Terra, e assim vocês mudam essa dimensão incessantemente. Vocês a recuperam por causa do seu ponto incomparável de observação.

Se vocês fizerem isto mais conscientemente, então o façam agora, e vocês reconectar-se-ão com TUDO e, sim, vocês criarão o Céu na Terra.


Um conceito, muitas descrições.


Quando vocês reconectarem todas as outras dimensões com a 3D novamente, vocês tornar-se-ão o portal de energia ao se abrirem para existir em todas as dimensões ao mesmo tempo.

Esta é a descrição em que vocês acreditam que seja o trabalho de Deus, certo: criar o Céu na Terra?

Bem, nós lhes dizemos: “Deus: vá em frente e crie a essência do que você é aqui”.


Então vocês verão, sentirão e tocarão tudo, sabendo que sua divina missão tem sido um sucesso.

Apesar desta não ser toda a razão para vocês estarem aqui agora, isto é uma grande parte dela.

Nunca se esqueçam de como vocês realmente são abençoados, pela sua própria vontade.

Nunca se esqueçam de como vocês realmente são abençoados, pela sua própria vontade.

Nós oramos, Imzaia, para que um dia possamos dizer: vocês são realmente abençoados, pela sua própria aceitação.


Quando Deus volta para casa no Coração de vocês é quando vocês se veem pelo que vocês realmente são.

Quando isto acontece, Deus volta para casa na Terra.


Percebam a sutil diferença entre estas duas palavras: ‘heart’ (coração) e ‘earth’ (Terra) ou, em outras palavras ‘o começo’ e ‘o fim’.

Isto é conhecido há muito tempo como o ‘Alfa’ e o ‘Omega’.

Quando seu coração (heart) e a sua Terra (earth) forem um campo único, e não dois opostos da mesma moeda dual, a promessa do céu será cumprida.


Este, amados criadores, era o conceito original do céu quando vocês o criaram e o colocaram no seu DNA como sendo a maior de todas as missões para ser desenvolvida: voltar verdadeiramente para casa.


Unificar o Alfa, que é o coração, e o Omega ou a energia do coração agora manifestada como a Terra.

Nós aguardamos seu talento artístico e sua mestria com grande expectativa.

O CONSELHO DOS DOZE

ADAMA de Telos




Adama é o grão Sacerdote de Telos , Líder espiritual da cidade lemuriana sagrada chamada Telos sob o Monte Shasta (Califórnia, EUA). Ele é o presidente do Alto Concílio Lemuriano de Luz em Telos. Adama é também um embaixador e um diplomata destacado para os contactos galácticos com os nossos Irmãos e Irmãs das Estrelas, pela humanidade que vive no interior e na superfície do Globo.

Adama, com a assistência da sua equipa Lemuriana e Galáctica, é o director responsável pela criação e a manutenção de uma rede cristalina muito importante em volta deste planeta. Trabalha com um grande número de variados seres galácticos e interplanetários neste importante projecto.

Adama é um Mestre Ascensionado do Raio Azul de nível universal, é um mestre de Amor e de compaixão, trabalhando incessantemente para assistir a humanidade e o planeta no projecto da Ascensão . Telos tornou-se agora o quartel-general principal da ascensão para o nosso planeta, e Adama é um dos principais dirigentes, junto com o Cristo planetário, Mestre Maitreya, Mestre Sananda, Mestre Buda, Mestre Sanat Kumara, e tantos outros.

Adama faz parte dos que encarnaram o “ Coração da Lemúria ” que é nada menos que o coração do amor e da compaixão e o coração da Mãe Divina, o regresso da consciência crística neste planeta com toda a sua glória e magnificência.

Chegou o tempo de Adama ser reconhecido e ouvido de novo à superfície do planeta. A sua presença espiritual no meio de nós e a presença da nossa antiga família Lemuriana intraterrena é mesmo uma grande bênção para nós todos e para a superfície do planeta. Abramos os nossos corações para Adama e para os membros da nossa família Lemuriana intraterrena que, com muito amor e paciência, nos assistem na nossa caminhada evolutiva, esperando reconectar-se connosco de uma forma mais física e tangível nos anos que estão por vir.

Tradução do site http://www.lemurianconnection.com/en/adama/index.htm

O que é a Merkabah



A Merkaba é o veículo de luz capaz de transportar o espírito a outras dimensões. Através da sua geometria sagrada permite trazer à consciência a existência de vários campos magnéticos que circundam o nosso corpo. Tudo o que tem nome e tem associado a esse nome uma determinada energia tem Merkaba, isto é, uma estrutura energética susceptível de ser trabalhada e elevada progressivamente na sua vibração. Isto significa, que qualquer corpo energético dotado de um nome pode ser ACTIVADO, elevando-se assim o seu titular à Luz.

Qualquer pessoa, lugar, país, colectivo humano, espécie animal ou vegetal podem, portanto, ser activados vibratoriamente de forma progressiva através da sua Merkaba, até chegar às mais altas vibrações de Amor e Luz.

A estrutura energética da Merkaba assume uma forma geométrica tridimensional composta por dois tetraedros regulares intrincados um no outro, em torno de um centro comum. Esta figura geometral chama-se "Estrela Tetraédrica".

Ao trabalhar com superfícies planas, tais como países, terrenos, mapas, entre outros, a Merkaba volumétrica sofre uma projecção sobre o plano e então forma-se uma figura geométrica plana chamada “Estrela de David”.

O que é a Apometria




Apometria é uma técnica que permite com razoável facilidade, a um grupo de médiuns treinados, a indução para estados de desdobramento dos corpos mediadores; em especial o etérico, o astral e o mental.

A medida em que a humanidade evolui, os véus do desconhecido vão se descortinando e o conhecimento das leis espirituais, que antes era privilégio de poucos, vai sendo revelado abertamente aos pesquisadores isentos de preconceitos.
IMPLANTADA pelo farmacêutico-bioquímico porto-riquenho dr. Luiz Rodrigues, recebeu primeiramente o nome de hipnometria, mas foi fundamentada e desenvolvida cientificamente pelo médico gaúcho dr.José Lacerda de Azevedo.
Dr. Lacerda nasceu em 12 de junho de 1919, em Porto Alegre. Cursou o Instituto de Belas Artes e depois se formou em medicina pela Universidade do Rio Grande de Sul, em 1950. Antes mesmo de tornar-se doutor, em 1947, casou-se com Yolanda da Cunha Lacerda, uma prima que só veio a conhecer na idade adulta e que se tornou mais tarde sua grande companheira de ideais.

O QUÊ É A APOMETRIA? A apometria é uma técnica que consiste no desdobramento espiritual (emancipação da alma, viagem astral ou projeção da consciência) por intermédio do comando da mente. "Representa o clássico desdobramento entre os componentes materiais somáticos do homem e sua constituição espiritual", de acordo com a definição do livro Apometria- Novos Horizontes da Medicina Espiritual, escrito pelo médico Vitor Ronaldo Costa e publicado pela Casa Editora O Clarim, em 1997.
Por intermédio da projeção do perispírito, o médium pode ver e ouvir os espíritos, até mesmo trabalhar no resgate de espíritos sofredores. De acordo com dr. Lacerda, no atendimento aos enfermos, por meio da projeção, coloca-se o médium em contato com as entidades médicas do plano espiritual. Simultaneamente, o mesmo procedimento é feito com o doente, o que possibilita o atendimento do corpo espiritual do enfermo pelos médicos desencarnados, assistidos pelos médiuns em projeção que relatam os fatos que estão ocorrendo durante o tratamento.
Também pode ser utilizada como técnica eficaz no tratamento das obsessões. Essa eficácia acontece em virtude dos espíritos protetores se encontrarem no mesmo plano dos assistidos, podendo agir com maior profundidade e mais rapidez.

A principal CARACTERÍSTICA da Apometria radica na abrangência de sua assistência espiritual. A Apometria investiga o corpo astral do paciente, seu habitat (ambiente doméstico e/ou profissional), obsessores locais e não-locais (baseados em outros níveis do umbral). É muito mais poderosa que o passe e a doutrinação convencionais. Detecta e retira equipamentos extrafísicos mecânicos e eletrônicos (paratecnologia) do psicossoma (corpo astral) dos pacientes. Só não dá suporte psicológico, o qual nem o passe e nem o auxílio fraterno dão. Muitos casos só são resolvidos por meio de boa terapia e leituras que ensejem maior autoconhecimento e auto-enfrentamento.
Os que preferem o método clássico de doutrinação religiosa entronizado ao longo do século XX nos centros espíritas e espiritualistas brasileiros, criticam a Apometria porque esta não “evangeliza” o espírito obsessor. Todavia, em complexas obsessões espirituais a tentativa de “evangelizar”, “sensibilizar” ou “conscientizar” o espírito obsessor não surte efeito. Evangelizar magos negros é tão eficaz quanto ensinar lições de fraternidade a um psicopata.

A Apometria trabalha com sintonia. Não incorpora egos. Não incorpora veículos de manifestação da consciência. Poucas vezes retira alguém do corpo físico (projeção da consciência; viagem astral). Ao contrário do que se pensa, raramente médiuns saem do corpo físico para atenderem no umbral ou na casa do paciente.
Quando sintoniza o corpo mental concreto (ou inferior) ou o corpo mental abstrato (ou o superior) do paciente, o médium de incorporação (também chamado de “médium de passagem”) não incorpora o corpo mental do paciente – diferente do que aconteceria se “recebesse” um espírito desencarnado.
Com a ajuda dos amparadores extrafísicos (mentores) da seção apométrica, a sensibilidade espiritual do médium permite que sintonize com determinada faixa consciencial do paciente e faça varredura bioenergética e psicométrica em seus chacras, nádis, parachacras e paranádis.
Atua no cerne da obsessão, com visão de conjunto. Sim, toda cura é uma autocura e depende da reforma íntima do paciente, mas isso é válido em qualquer situação. Não podemos ignorar técnicas avançadas em prol da “pureza doutrinária”. Associemos as boas técnicas à elevada ética e cosmoética, considerando as peculiaridades de cada contexto.
Ao utilizarmos a Apometria, abrimos imediatamente através de nossa forma
pensamento, portais interdimensionais, que nos ligam ao Mundo Maior e, à toda Corrente Médica e Mentores do Espaço. O êxito da Apometria reside na utilização de nossa faculdade mediúnica, para entrarmos em contato com o mundo espiritual, da maneira mais fácil e objetiva, sempre que for necessário. No entanto, devemos clarinar um vigoroso alerta para os entusiasmos que possamos estar provocando. Como fundamento de todo esse trabalho espiritual deve estar o AMOR. Ele é o alicerce. Sempre!!!
+++++++++

quinta-feira, 17 de março de 2011

Mensagem de Arcanjo Uriel



SAIBAM A PARTIR DE ONDE VOCÊS ESTÃO
Mensagem do Arcanjo Uriel

através de Jennifer Hoffman -
14 de março de 2011

A sabedoria do Universo está contida em cada um de vocês. Todo o conhecimento e saber, todas as verdades e entendimentos são mantidos em suas consciências. Se vocês já sabem tudo, então, qual é o propósito da sua jornada? Por que têm que experimentar o carma, lições, dor, medo, sofrimento e o conhecimento que vocês obtêm com eles, se vocês já sabem tudo que eles tem para lhes ensinar? Mas, o seu saber está nos planos e vibrações superiores e sem a consciência, vocês não podem trazê-lo para a experiência da terceira dimensão.

Vocês se conectam com o seu conhecimento quando atingirem o nível de consciência e estiverem na vibração para permitir que a conexão ocorra. Há um fluxo para que esse processo ocorra quando vocês começam a observar um padrão ou uma verdade específica, que abre a sua consciência para um novo nível de compreensão e, em seguida, vocês se conectam com o conhecimento. É o seu desejo de cura, por exemplo, que lhes permite estar abertos para essa informação . É o seu desejo de uma verdade maior que lhes permite explorar novos níveis de compreensão.

Cada momento em sua realidade existe em um nível específico de consciência, que apoia suas crenças e pensamentos. Uma alteração em sua consciência, que chega com um desejo de conhecer uma realidade diferente, permite-lhes abrir-se para uma emanação de conhecimento que é a sua orientação e que se expande para uma nova e maior compreensão de si mesmos e do seu potencial. É por isso que cada momento é importante e poderoso em si mesmo, porque cada um representa o seu nível de consciência e a partir desse ponto, os passos para os próximos níveis de compreensão se conectam com vocês.

Não pode haver outro momento além do que vocês estão neste instante. Não há verdade maior do que aquela de que vocês podem estar cônscios em algum momento. Vocês não podem ser, ter ou saber mais até que permitam que a sua consciência se expanda para uma compreensão maior de si mesmos, do seu poder, do seu potencial e da verdade que vocês permitem que seja real para vocês em qualquer momento. Onde vocês estiverem é o seu lugar mais poderoso e quando desejarem saber mais, vocês começarão a partir de onde vocês estão e passarão para a consciência que permite que um saber maior seja revelado.

Tradução de Ivete Brito – adavai@me.com/
visite os sites da tradutora: www.adavai.wordpress

Mensagem da Energia do REIKI





MENSAGEM DA ENERGIA DO REIKI

Eu Sou a Shakit Reiki e venho a terra através do pioneiro Mikao Usui para derrubar os pilares internos da ignorância na terra de vossas consciências. Afirmo aqui que desejo ajudá-los sempre que desejem.

Eu Sou uma Partícula Divina em Prol da Humanidade que existe dentro de vossos Universos Internos.

Eu desejo ser parte de vossa realidade e caminhada como ser divino vivente em eternidade do momento do agora.

Eu quero percorrer todo o seu corpo e fazer parte da sua Jornada de desenvolvimento interior.

Eu Sou o Cho Ku Rei, a minha frequência purificadora deseja amorosamente vivificar o seu coração em sabedoria e desprendimento

Eu Sou o Sei Rei Ki, a minha frequência curadora deseja amorosamente proporcionar a cura para todas as tuas feridas, seja ela de que espécie for e em que dimensão dentro de ti esteja.


Eu Sou o Hon Sha Ze Sho Nem, a minha frequência de muldimensionalidade é porta aberta divina deseja proporcionar a humanidade de vossa estrutura interior a unicidade com o seu Eu Sou Divino em todos os sentidos de seu ser.

Eu Sou o Dai Ko Myo, a minha frequência deseja selar a sua caminhada, o seu salto quântico dentro do seu universo cósmico interior.

Eu Sou o Raku, a minha frequência deseja fortalecer a sua estrutura e consciência como farol de luz para que o alcance da sua candeia.

Ilumine todo o Universo, dentro e fora de ti, em equilíbrio e expansão constantes.

Juntos Somos Uma parcela de sua Divindade consciente e desperta

Somos o Reiki aqui e agora para todas as partes de toda a humanidade

Assim seja em amor incondicional

Namastê
+++++++++++++++


Cada um segundo o seu julgamento e tomada de decisões, não usem esta mensagem como justificativa para suas atitudes, esté é um apêndice aos reikianos e os convido a refletir o que o reiki é em vossas vidas.

Em amor incondicional usem o discernimento.

Eu sou Sananda


Canalização dos Servidores Voluntários da Luz e Elisangelis G. de Souza -
GRUPO SOMOS LUZ EM AÇÃO em 03-12-2010.

http://somosluzemacao.blogspot.com/
http://vozdaeradeouro.blogspot.com/

Mensagem do Comandante SOHIN, da Nave Alfa



Mensagem do Comandante Sohin
Canalização de Kris-Won

Saudações desde a Nave Alfa!

Durante décadas foram muitas as pessoas que viram estranhas luzes no céu. Bom, tem que ser dito que não sempre fomos nós, pois em muitas ocasiões os fenômenos observados eram artefatos voadores criados por vocês mesmos, só que o observador o desconhecia. Em outras ocasiões se eram fenômenos próprios da mesma natureza, sendo em realidade a mesma Gaia que se manifestava de alguma forma diante de vocês.

Mas é verdade que nos contemplaram muitas, muitas vezes, quando decidimos que vocês nos vissem desde as suas casas, ou desde o campo, desde uma montanha ou desde uma praia deserta.

Inclusive em certos momentos pontuais( não muitos na verdade) entramos em contato com grupos e os convocamos em lugares e em um horário determinado, para que todos os integrantes do grupo tivessem a oportunidade de nos ver voando sobre eles e realizando manobras impossíveis de realizar pelo seus aparelhos voadores terrestres, precisamente para que se abram a realidade de que estão sendo visitados e acompanhados por civilizações de outros mundos e outras galáxias.

Civilizações, algumas delas muito distantes, que estamos aqui por alguma razão vital, de uma importância extraordinária, que envolve não somente o destino da humanidade e seres vivos de este Planeta, mas também está ligada a evolução de todos os seres de todos os mundos habitados de esta Galáxia.

A massa critica que está despertando ao novo nível de consciência que precisam para dar o salto evolutivo que os espera, está aumentando consideravelmente dia a dia. Nós podemos comprovar como o numero de seres humanos envolvidos conscientemente em este salto evolutivo está crescendo paulatinamente e em um regime ascendente.

E isso é o que consideramos efetivo na verdade, pois é mais importante que as pessoas que comecem a incorporar o grupo ativo de seres resgatáveis o façam de forma constante e sem abandonar, que fosse um movimento massivo mas que não fosse substancial e persistente.

Nós lhes damos as boas-vindas a todos aqueles que estão se tornando conscientes do que está acontecendo em nos momentos atuais de mudança de uma humanidade que sofre e escravizada no domínio social, político e econômico de alguns quantos poderosos, para o advento de uma humanidade na qual todos serão iguais, como o foram sempre diante dos olhos de Deus e de seus Irmãos Maiores.

“Todos Somos Um”- deve ser o lema que rege as suas vidas, que esteja constantemente em suas mentes e corações, para que todos os sentimentos e pensamentos limitadores de suas antigas crenças se desvaneçam e dêem lugar ao sentimento de Unidade que se adéqua a Verdade e Realidade de toda a Criação de Deus.

Se nós não estivéssemos aqui em este momento, fazendo o que fazemos para apoiá-los no despertar de sua consciência interior e desfazendo os males que algumas pessoas sem escrúpulos estão fazendo com o meio ambiente no qual vivem, o processo planificado por mentes sublimes e divinas não poderia se materializar.

Nós estamos aqui para garantir de que esse processo aconteça com efetividade e prontidão, sem risco de que o Plano de Deus fracasse.

Para consegui-lo, é vital que cada vez mais de vocês se envolvam ativamente na chegada de esta Nova Terra y esta nova humanidade. Não fiquem sentados esperando que realizemos todo o trabalho, porque isso não será assim.

Uma vez que hajam despertado para a realidade e a relevância de todo o que acontece com o Planeta Terra e todos seus integrantes, mexam-se e unam-se entre vocês, para ajudar a acelerar o processo de mudança, de transmutação e de elevação de todas as consciências terrestres.

Alguns se lamentam de que nós não intervimos drasticamente nos problemas que sofre a humanidade doente, mas isso não é o adequado para que vocês realizem a transmutação do antigo e obsoleto para o novo e transcendental.

Em vez de ficar sentados se lamentando e murmurando, uma vez que tenham percebido a necessidade de uma mudança planetária, ajudem com o que aprenderam e com o que sentiram dentro de vocês e que sejade utilidade para outros seres humanos.

Agora contam com a ajuda e o apoio da internet. Por exemplo, os conecta a todos desde qualquer parte do planeta. Façam uso de essa ferramenta, e tenham a certeza de que foi inspirada por nós, para que possa ajudá-los no seu despertar global como raça de este planeta.

Não pedimos que subam a um banco em uma praça e comecem a declarar a grandes vozes que o mundo precisa mudar. Mas usem estas ferramentas atuais que lhes oferece a tecnologia, para que cada vez mais e mais gente compreenda a necessidade de que primeiro devem mudar cada um de vocês, para aumentar a massa critica necessária para que a Grande Mudança aconteça, e com a colaboração e a intenção de todos nós unidos, para que este processo evolutivo tenha sucesso e vocês se vejam catapultados para um novo estado de consciência.

Paz e amor Compartilhar Twitter Facebook
Tags:

terça-feira, 15 de março de 2011

Mensagem importante de Trigueirinho



Quem são os nossos companheiros na vida terrestre e quem são os da vida interior?

Trigueirinho abriu esta palestra se desculpando pela do seu discurso.
Segundo ele, estamos num final de ciclo que, apesar de muito já ter sido anunciado, encontra-se mais próximo do que podemos imaginar. Por isto, ele decide falar abertamente sobre o que vem acontecendo, o que está para acontecer e como devemos nos colocar diante dasmudanças.

Primeiramente ele expôs 2 importantes postulados: a fé e a proteção, sem a qual não poderemos caminhar a partir de agora:

1- A FÉ: Existe a partir do conhecimento interno e da elaboração intelectual. É diferente da crença, que vive da ignorância.

2- A PROTEÇÃO: Existe a partir do controle do medo. O medo é fruto daquilo que nos é desconhecido, fruto da ignorância. Trigueirinho cita, ainda, a questão do cinto de segurança dos automóveis: “Não coloquem a segurança no cinto. A segurança não está no cinto. Façam uso dele, uma vez que assim diz a lei dos homens, entretanto, não coloquem a segurança de vocês nele. Não é ele quem define as coisas”.

Em seguida, falou sobre a existência de dois tipos de Hierarquias: a Hierarquia Espirutual (Hierarquia da Luz) e a Hierarquia dos Seres Involutivos (Hierarquia das Trevas). Explanou, brevemente, sobre a influência das duas no planeta Terra e disse ter
recebido uma comunicação do Centro Planetário Aurora informando o que está por vir e descrevendo a atuação da Hierarquia dos Seres Involutivos desde os primórdios até os dias futuros.

Os seres involutivos são antigos conhecidos nossos e podemos encontrar uma infinidade de exemplos de suas ações nas ruas, nos jornais, etc. Trigueirinho lembra que antigamente eles eram chamados de diabinhos na expressão do povo. São entidades negras que se alimentam das nossas energias, sugestionam ações, condicionam comportamentos, manipulam situações. Todos nós, sem dúvida, já nos deparamos com um pensamento terrível que parece não ter sido formulado por nós... Muitas vezes ele não foi mesmo.

O comunicado recebido por Trigueirinho alertava que existiam 10 graus diferentes de seres involutivos e que, atualmente, nós estaríamos convivendo com seres até o 8°. Ele descreveu minuciosamente cada um dos graus, mas não me sinto confortável para reproduzir. Basicamente ele fala sobre estágios de seres que sugam nossa energia em diferentes níveis. Alerta sobre a colocação de dispositivos em nossas auras, conexões nos nossos corpos sutis que emitem códigos. Fala sobre seres que procriam nos corpos, que cavam buracos, abrem portas na nossa aura, tiram pedaços e muitas vezes levam corpos inteiros. Diz que nossa incompreensão do processo favorece a abertura dessas portas (por onde perdemos energia) e que é chegada a hora de compreender e tomar a decisão. É chegada a hora de fazer a opção interior, de se conectar com mestre interno, com o eu superior.

“Esta é a última chamada”, diz ele. Não há mais tempo para purificação. Deveríamos ter conseguido nos purificar há muito tempo, não dá mais para nos preocuparmos com isto.

Nosso foco deve ser a capacidade de transmutar. Ela sim será necessária nestes tempos que estão por vir. Acontecerão
coisas que não conhecemos e nada conhecido vai nos servir neste momento. É preciso orar. É preciso que nos voltemos ao nosso mestre interno, ao ser interior. (Trigueirinho cita a filosofia yoga como exemplo de uma das buscas do ser interior, a meditação).

Diz que devemos tomar a decisão de perguntar tudo lá pra dentro (e aí ele aponta para o plexo sempre que se refere ao mestre interior). Fala sobre as pessoas que tem o costume de pedir coisas em oração e diz que se têm o costume de pedir, que peçam pela conexão, que peçam para estabelecer e fortalecer essa conexão com o mestre interno. Diz que as outras coisas (a prestação da casa e etc) se resolvem por elas mesmas, são nada diante do que está por vir.

Os dois últimos graus de entidades negras ainda não se manifestaram, são os mais negativos, não foram descritos por ele, foram apenas definidos como os mais negativos, os que estão além do que nos é conhecido, os que estão reservados para o momento final do ciclo. Segundo a minha compreensão, pareceu que ele sugeriu que estes seres se manifestariam inclusive nas nossas mentes, criando imagens com as quais não saberíamos como lidar, mas essa foi uma leitura minha.
Disse também que muitas pessoas se suicidarão.

Haveria já, uma enormidade de pessoas com os tais dispositivos “pregados” na aura e muitas delas relataram imagens em sonhos que poderiam simbolizar a influência desses seres. As pessoas sonham estarem envoltas por uma serpente (que seria a representação de um grau da hierarquia) ou por um polvo gigante (representação de um grau ainda mais elevado da Hierarquia das Trevas). Nestes casos, deve-se orar para o mestre interior e pedir ajuda à Hierarquia da Luz sempre.

Muito foi dito com relação a pedir ajuda. Os seres que contribuem para a evolução do planeta não podem interferir sem
que peçamos. Eles estão dispostos a ajudar, mas não podem interferir no caminho evolutivo de cada sem um forte propósito.
Todos tem um caminho a trilhar e cabe a cada um fazer suas escolhas; ninguém tem o poder de escolher pelo outro, por isso, o alerta para que tomemos a decisão e peçamos ajuda. A Hierarquia da Luz está fazendo um trabalho com cristais - dentre outras ações - para ajudar o planeta, entretanto só ajudará em âmbito pessoal àqueles que a invocarem.

Trigueirinho lembrou que passamos 24h/dia cuidando das coisas que não interessam, das coisas mundanas. Disse entender que é preciso viver segundo estas regras, mas que se fazia necessário criar espaços para a conexão com o eu interno. Sugeriu
elevarmos a oração à região do plexo, pois disse que quando oramos muito emocionados, a prece se concentra em uma região mais baixa. A oração não deve ser carregada de emoção, só ela resolve aquilo que não podemos resolver conscientemente.

Neste período que está para chegar, teremos a ajuda da Hierarquia da Luz e dos nossos irmãos extraterrestres. Aí ele pára para elucidar o que seria “extraterrestre”. Diz lamentar muito que nosso vocabulário seja tão pobre e que este “nome infeliz nos separa do que realmente é”. Explica que não há separação, que somos irmãos em outras etapas de crescimento, que eles são muito parecidos conosco, que são desta humanidade, mas habitam outras regiões do cosmos.

Diz que eles têm outro coeficiente intelectual (100%) enquanto nós estaríamos em 8%. Explica que eles vivem conosco há muitos séculos, uns encarnados, outros desencarnados, que nenhum deles vem fazer estudos ao contrário do que sustenta o imaginário popular. Eles vêm, sim, cumprir tarefas e retornam quando estas tarefas terminam. Fala que na maior parte das
vezes eles trabalham internamente, no subconsciente, porque apesar de ser possível se materializarem há um dispêndio de energia muito grande para tal. Esta também é a razão pela qual eles não se manifestam apenas para satisfazer nossas curiosidades.

Trigueirinho diz, ainda, que eles estão entre nós há muitos séculos, mas não chamam atenção porque sabem que ficaríamos com medo. Dá vários exemplos de missões extraterrestres neste planeta, como a introdução de idéias espirituais na psicologia materialista. Cita Grécia, Índia e China como civilizações que receberam inúmeras contribuições de seres de outros planetas: grandes ensinamentos como “não se limitar ao que se aprende na escola”. Entenda-se por escola a educação formal em todos os níveis. A escola ensina o básico, para obtermos uma média de um conhecimento.

Mostra uma pequena parcela do todo. Preocupa-se com as coisas materiais na maior parte das vezes, com as leis mundanas, com conhecimentos muito específicos que de nada nos interessam. Devemos estudar a vida. Devemos estudar a vida inteira.

Se o intelecto não é posto em coisas de níveis superior a sabedoria interna se encolhe. A mente fica decrépita com o passar dos anos, ao invés de mais sábia, mais experiente. Todos nós conhecemos aqueles que se deterioraram com o passar dos anos. São os que pensaram, em algum momento, “eu já sei o suficiente”.

Trigueirinho ressalta a importância do momento em que somos jovens. A fase em que somos jovens é aquela em que nosso intelecto está agindo intensamente e já se encontra bem desenvolvido. Esta é a melhor fase para se imbuir destes conhecimentos e é justamente a fase em que a escola trabalha arduamente para nos distanciar deles, bombardeando-nos com uma série
de regras, informações e pressões inúteis. “Uma escola que ensine a viver não existe. Se existir ela fecha”.

“Devemos aspirar sair da ignorância, não podemos ser pegos distraídos”.

Primeiro devemos saber nossa origem. Qual é nossa origem? De que planeta você veio? O ser humano esqueceu esta
informação e por isto demonstra separatividade.

Sobre as perguntas que foram feitas:

Muitas foram as perguntas e dada a extensão da palestra ele se limitou a responder e comentar algumas poucas; tentarei reproduzir da maneira mais fiel:

1 - Como fazer para ajudar alguém que não quer ser ajudado?
T: Não faça. Não perca tempo. Não há tempo para convencer ninguém. Ache outra pessoa para ajudar.

2 - (não foi lida).
T: Eu recebi uma pergunta de uma pessoa que quer que eu fale sobre a situação política do Brasil, sobre o que estamos vivendo agora. (pausa) Eu não entendo de política, eu não sei nada sobre política, eu nem sei o que é política.

3- Uma pessoa que pensa em suicídio, essa idéia pode não ter partido dela.
T: Eu diria que 90% de chance da idéia não ter partido dela. O suícidio não é opção em hipótese alguma. É comum que as pessoas pensem em suicídio quando se deparam com situações que não sabem como resolver. Para os seres involutivos é muito cômodo. É mais fácil sugar as energias de uma alma desencarnada do que encarnada, por isso eles plantam estas mensagens na mente das pessoas.

4- O que fazer quando nos encontrarmos em um lugar carregado de forças malígnas?
T: Orem. Devemos orar sem desafiar estas forças. Este é um trabalho de exorcista, um trabalho muito perigoso que requer muito conhecimento, muito treino... Nós não temos condições de lutar com estas forças, nós não sabemos o poder que elas têm. Nós podemos, sim, resistir à ação delas e impedir que se aproveitem de nós, mas desafiá-las nunca. Em situações assim, ore e peça ajuda às hierarquias.

5- (A outra pergunta foi enorme e emotiva, mais ou menos assim “O que você pensa de algumas religiões que
arrebanham multidões e vendem pedaços de terra no céu, como se vendessem porções de Deus.....” e por aí vai).
T: Eu disse antes que eu não entendia nada de política. Pois não entendo nada de política e nem de religião.

6- Como saber qual o melhor lugar para se estar no momento do resgate?
T: Não se preocupe com isso. Preocupe-se com estabelecer e fortalecer suas conexões. Não importa onde você esteja, a Hierarquia vai ao seu encontro no momento preciso.

E assim encerrou a palestra, mais uma vez pedindo que oremos para nosso mestre interior, para as hierarquias e
irmãos extraterrestres e que comecemos a trabalhar cortando todos os nossos apegos.